Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 23/07 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 27/07 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/07 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 27/07 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 23/07 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 27/07 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/07 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 27/07 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 23/07 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 27/07 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/07 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 27/07 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 23/07 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 27/07 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/07 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 27/07 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.

Epidemia de ebola levanta questão do uso de medicamentos experimentais

Epidemia de ebola levanta questão do uso de medicamentos experimentais
 
Especialistas criticam os que chamam os voluntários para os testes de medicamentos de "cobaias humanas". isaminatel.wordpress.com

A decisão da Organização Mundial da Saúde (OMS) de aprovar a utilização de tratamentos experimentais contra o vírus do ebola no oeste do continente africano trouxe novamente à tona a questão polêmica do uso de medicamentos experimentais em seres humanos. Se alguns acusam as autoridades de usarem as vítimas da doença como “cobaias”, outros defendem que, diante do avanço da epidemia, não era possível esperar fases de testes que podem levar até dez anos.

Cada vez que os especialistas falam de “testes clínicos de medicamentos não-homologados”, a recordação de um triste episódio, datando de 2006, vem à mente de alguns cientistas. Na época, o hospital Northwick Park, na Inglaterra, administrou medicamentos experimentais em seis voluntários sadios. Os pacientes apresentaram sérios efeitos colaterais, que chegaram a provocar a amputação de membros. Desde então, a vigilância foi reforçada para que esse tipo de procedimento seja realizado apenas como último recurso.

No caso do ebola, que já matou mais de mil pessoas no continente africano, o procedimento utilizado é a aplicação do soro experimental ZMapp, um produto desenvolvido pela empresa farmacêutica norte-americana Mapp Biopharmaceutical. O medicamento é o mesmo que foi usado no médico Kent Brantly e na enfermeira Nancy Writebol, ambos americanos, contaminados pelo vírus na Libéria.

“Se esse medicamento tivesse sido usado primeiro na África, e não nos Estados Unidos, alguns grupos poderiam ter acusado as autoridades de terem usado os africanos como cobaias. Então eu acho positivo o fato de que o ZMapp tenha sido administrado primeiro em doentes nos Estados Unidos. Os dois pacientes tinham toda a competência e o conhecimento para aceitar o uso desse medicamento, pois faziam parte das equipes médicas”, comenta Christophe Longuet, membro do comitê ético do Instituto Francês de Saúde e Pesquisa Médica (Inserm).

Para ele, a iniciativa da OMS foi legítima. “Do ponto de vista ético, a Organização Mundial da Saúde teve razão ao se posicionar sobre o assunto. A questão agora é saber como essa recomendação vai ser implementada, já que estamos falando de recursos raros e ainda não sabemos quantas doses serão disponíveis, nem como elas serão distribuídas. A igualdade no acesso aos medicamentos vai ser um dos primeiros desafios na implementação”, analisa.

Situação brasileira

No Brasil, "qualquer projeto experimental tem que ser aprovado por um comitê de ética e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) avalia o protocolo e aprova a pesquisa clínica com o novo produto”, explica João Massud, presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica (SBMF). Mas no caso do ebola, esse processo pode ser acelerado. “Numa situação dessas, nós somos favoráveis a que o Ministério da Saúde aprove esse uso, porque se trata de uma situação de vida ou morte e não há produtos substitutos”, completa, lembrando que o governo já está estudando o uso do ZMapp caso vítimas da febre hemorrágica sejam registradas no país. 

Massud ressalta que as pesquisas clínicas são alvo de controles rigorosos, visando obedecer padrões internacionais, e critica os que acusam os laboratórios de usarem “cobaias humanas” ao lançarem testes de medicamentos. “Essa é uma expressão extremamente infeliz, porque os pacientes que se submetem a um tratamento experimental têm consciência do que estão se fazendo. Além disso, muitas vezes essa é a última chance que eles têm”, destaca.


Sobre o mesmo assunto

  • Ebola/Tratamento

    OMS aprova medicamento experimental contra Ebola

    Saber mais

  • Ebola/Espanha

    Padre espanhol infectado pelo Ebola morre em Madri

    Saber mais

  • Ebola/Epidemia

    OMS diz que Ebola já fez mais de mil mortos no oeste da África em 2014

    Saber mais

  • Epidemia/ebola

    OMS discute tratamentos experimentais contra ebola

    Saber mais

  • Epidemia/ebola

    Vacina contra ebola pode estar disponível em 2015, diz OMS

    Saber mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
As emissões
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.