Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 19/09 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 21/09 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/09 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/09 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 20/09 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 15/09 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/09 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/09 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 21/09 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 20/09 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/09 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/09 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 20/09 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 21/09 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/09 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/09 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.

Ondas de calor “cada vez menos invulgares”

Ondas de calor “cada vez menos invulgares”
 
Pessoas a tomarem banho na fonte do Trocadero, em frente à Torre Eiffel, em Paris, a 28 de Junho de 2019. ZAKARIA ABDELKAFI / AFP

A onda de calor que atingiu a Europa no final de Junho foi marcada por recordes de temperatura, mas um fenómeno como este “é cada vez menos invulgar”. O aviso é dado por Alfredo Rocha, professor de meteorologia e de clima da Universidade de Aveiro, que explica que “é de esperar que com o aquecimento global passem a ocorrer cada vez mais ondas de calor” porque “as temperaturas estão a subir”. O especialista crê que se vai “chegar ao fim do século com mais 4 ou 5 graus de temperatura média global”, mas “não vai ser o fim do mundo”.

Pela primeira vez em França, a temperatura ultrapassou os 45°, com os termómetros a registarem 45,9° em Gallargues-le-Montueux, no Sul do país. Também em Espanha foram registadas temperaturas de 43 e 44 graus. Esta foi “a primeira grande onda de calor que ocorreu” este ano, mas uma vaga de calor como esta “é cada vez menos invulgar” e “é de esperar que com o aquecimento global passem a ocorrer cada vez mais ondas de calor” porque “as temperaturas estão a subir por si só”.

As explicações são de Alfredo Rocha, professor de meteorologia e de clima da Universidade de Aveiro que crê que se vai “chegar ao fim do século com mais quatro ou cinco graus de temperatura média global”, ainda que alerte que “não vai ser o fim do mundo”.

É cada vez menos invulgar. Digamos que o que era invulgar há 20 anos é mais vulgar actualmente e assim vai continuar a ser. Portanto, o que nós chamamos de uma onda invulgar agora, não o vai ser daqui a dez ou vinte anos porque as temperaturas estão todas a aumentar”, descreve.

Na linha da indicação da Organização Meteorológica Mundial, que afirmou que 2019 está a caminho de se tornar um dos mais quentes de sempre, Alfredo Rocha admite que “se continuar com estas tendências é bem natural que 2019 possa constituir mais um recorde e é bem natural que à medida que os anos passem” se batam “continuamente recordes de temperatura mais elevadas”.

Questionado sobre o peso do aquecimento global provocado pelo Homem e sobre o que se poderia fazer para travar fenómenos climáticos extremos, Alfredo Rocha alerta que “não se pode fazer nada” a não ser a nível político.

A única forma de minimizar o aquecimento global é reduzir a emissão de gases com efeito de estufa. É, sobretudo, uma medida política - embora cada um de nós possa contribuir individualmente ou a nível de grupos menores para essa redução - mas, obviamente, que a grande diferença é feita por medidas políticas. Portanto, simplesmente não há nada a fazer. Se não houver entendimento político, é bem provável que este aumento de temperatura - que se tem vindo a verificar já nos últimos 20 anos e que vai continuar e cada vez com mais intensidade a verificar-se até ao fim do século - vai continuar a ocorrer. Vamos chegar ao fim do século com mais 4 ou 5 graus de temperatura média global”, avisa.

O professor de meteorologia e de clima alerta que “não é uma catástrofe” nem “o fim do mundo” porque “actualmente há regiões da Terra que têm temperaturas iguais ou superiores àquelas que se começa agora a experienciar”. Por isso, as pessoas vão ter de se “habituar a uma mudança grande”, sobretudo nas grandes cidades onde o “efeito da ilha de calor amplifica a onda de calor”.

Para o minimizar, as cidades deverão, por exemplo, “substituir materiais escuros [na construção] por materiais claros para não aquecer tanto; ter mais parques e jardins; pintar os telhados de branco ou então cobri-los com vegetação”.

Para ouvir a entrevista completa clique na imagem principal.

 


Sobre o mesmo assunto

  • Revista de Imprensa

    Calor extremo e mudanças climáticas

    Saber mais

  • FRANÇA

    Recordes de calor em França

    Saber mais

  • Revista de Imprensa

    Onda de calor atinge pico em França

    Saber mais

  • Revista de Imprensa

    Vaga de calor extremo em França

    Saber mais

  • Meio Ambiente/Índia

    Índia: vaga de calor mortífera

    Saber mais

  • Portugueses transformam CO2 em combustível

    Portugueses transformam CO2 em combustível

    A equipa de Paulo Nuno Martinho, do Centro de Química e Bioquímica da Universidade de Lisboa, criou uma molécula que captura dióxido de carbono e converte-o em combustível. …

  • "Fauna e Flora selvagem fazem parte do bem público"

    Em Moçambique há 10.800 elefantes, um número que permanece estável nos últimos cinco anos, apesar das ameaças à espécie. Na Reserva do Niassa, no extremo norte do país, …

  • SADC traça previsão regional para o período das chuvas

    SADC traça previsão regional para o período das chuvas

    Terminou este fim-de-semana em Luanda o 23° Fórum Regional de Previsão Climática para a África Austral. Os delegados e peritos dos 16 países da região SADC, incluindo …

  • Descoberto novo dinossauro carnívoro na Península Ibérica

    Descoberto novo dinossauro carnívoro na Península Ibérica

    Foi descoberto um novo dinossauro carnívoro na Península Ibérica. A espécie foi identificada em Espanha, na província de Castellon. ‘Vallibonavenatrix cani’ foi o nome …

  • "Angola quer conservar espécies selvagens"

    Em Genebra, na Suíça, decorre até dia 28 de Agosto, a Convenção Sobre Comércio Ilegal e Espécies da Fauna e Flora Selvagem da ONU-CITES. A reunião, que acontece a cada …

  • São Tomé: Verdes declaram guerra a lixeira

    São Tomé: Verdes declaram guerra a lixeira

    Há mais de trinta anos que a lixeira da Penha no distrito de Água Grande integra a paisagem de São Tomé. São mais de dois hectares de lixeira a céu aberto que recebe …

  • Descoberta nova forma de poluição com plástico na Madeira

    Descoberta nova forma de poluição com plástico na Madeira

    O Instituto Francês de Investigação e Exploração do Mar (IFREMER) publicou um estudo no qual dá conta que o mar Mediterrâneo é o mar mais poluído da Europa. Estima-se …

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
As emissões
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.