Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 25/06 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 23/06 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 25/06 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/06 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 25/06 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 23/06 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 25/06 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/06 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 25/06 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 23/06 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 25/06 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/06 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 25/06 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 23/06 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 25/06 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/06 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.

Franco CFA "é crucial" para a Guiné-Bissau

Por
Franco CFA
 
Notas de francos CFA AFP / SEYLLOU

14 países da África subsahariana e as Comores integram a zona franco, estabelecida em 1939 para criar paridade entre o franco CFA e o então franco francês, hoje substituído pelo euro, cujos ministros das finanças se reuniram na semana passada em Paris.

CFA era então a abreviação do termo Colónias Francesas de África, região hoje denominada Comunidade Financeira Africana.

A  Guiné Equatorial e a Guiné-Bissau são os únicos países não colonizados pela França a integrarem esta zona monetária, por vezes conotada de neo-colonialismo dada a sua dependência do Banco de França, ou considerada obsoleta, como afirmou aqui em Paris o economista guineense Carlos Lopes, o demissionário secretário geral adjunto da ONU, até agora responsável pela comissão económica para África.

Ambas estas classificações são rejeitadas pelo ministro guineense Henrique Horta dos Santos, que faz uma retrospectiva do encontro de Paris, que segundo ele foi muito positivo.
 


Sobre o mesmo assunto

  • Economias

    Guiné-Bissau: balanço positivo da economia em 2015

    Saber mais

  • Economias

    Zona euro cada vez mais só na ortodoxia orçamental

    Saber mais

  • Economias

    Angola rejeita ajuda financeira que daria credibilidade à sua economia

    Saber mais

  • Economias

    Transportadora aérea LAM em dificuldade

    Saber mais

  • Economias

    FMI dá avaliação "favorável" a São Tomé e Príncipe

    Saber mais

  • Economias

    Moçambique, dívida pública e crise económico-social

    Saber mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
As emissões
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.