Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 19/09 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 15/09 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/09 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 19/09 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 15/09 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/09 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 19/09 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 15/09 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/09 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 19/09 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 15/09 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/09 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Guiné-Bissau

Aristides Gomes: "é preciso continuar a trabalhar"

media Aristides Gomes, primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Lisboa 6 de Junho de 2018. Lusa

Os deputados guineenses aprovaram o Orçamento Geral do Estado no valor de 430 milhões de euros, para o que resta do ano 2018. O primeiro-ministro, Aristides Gomes, declarou que já tem instrumentos para governar, contudo lembrou que é preciso "continuar a trabalhar".

Os deputados guineenses aprovaram o Orçamento Geral do Estado no valor de 430 milhões de euros para o que resta do ano 2018. Um orçamento que tem um défice de cerca de 70 milhões de euros, mas que o governo de Bissau pensa cobrir através de empréstimos junto de mercados e instituições financeiras.

Para já, o orçamento será coberto com as receitas internas. Sendo que 50% serão provenientes das receitas das alfandegas, 34% das contribuições e impostos, 6% do sector das pescas e 10% de outras
fontes de captação de receitas.

O primeiro-ministro, Aristides Gomes, era um homem satisfeito com o aval dos deputados em relação ao orçamento, contudo lembrou que é preciso continuar a trabalhar.

“Já estávamos a executar esse orçamento, é uma luz verde para continuarmos na mesma linha. As lacunas existiram sempre, num orçamento nessas condições, mas é preciso trabalhar, criar melhores condições para a execução. É preciso reformar as instituições de cobranças das receitas, ir nessa via, melhorar a qualidade das despesas”, referiu.

Com a aprovação do orçamento, embora que na generalidade, ficando agora a sua apreciação na especialidade pelos deputados, o primeiro-ministro diz que já tem instrumentos para governar e assim conduzir o país as eleições legislativas a 18 de Novembro. Os dois principais partidos no Parlamento, PAIGC e PRS, também têm o mesmo entendimento: “as eleições não podem falhar a 18 de Novembro”.

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.