Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 19/04 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 21/04 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/04 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/04 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 19/04 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 21/04 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/04 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/04 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 19/04 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 21/04 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/04 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/04 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 19/04 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 21/04 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/04 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/04 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.

Patche di Rima: “Eu faço política nas minhas músicas”

Patche di Rima: “Eu faço política nas minhas músicas”
 
O músico guineense Patche Di Rima nos estúdios da RFI. 12 de Fevereiro de 2019. Carina Branco/RFI

O músico guineense Patche di Rima lançou a 02 de Fevereiro o seu novo álbum, “Maratona de Amor”. O disco pretende ser um manifesto pela “guineendade” da parte de um cantor que diz fazer uma “política activa da cidadania” nas suas músicas.

‘Maratona de Amor’ cruza ritmos tradicionais da Guiné-Bissau, como o gumbé, tina, singa, com o afro beat,  zouk e kizomba. Além das línguas tradicionais guineenses, como o crioulo, o pepel, o manjaco, o fula, o mandinga, o sussu, Patche Di Rima usou o olof do Senegal, assim como o português, francês, lingala, inglês e suaíli.

Este é o terceiro disco a solo do músico guineense e foi gravado na Guiné-Bissau, em Portugal, no Reino Unido, na Holanda e nos Estados Unidos. O cantor fez um trabalho que pretende “transmitir uma mensagem de amor” e “uma parte do homem africano, concretamente da Guiné-Bissau”. Por outro lado, Patche Di Rima quis mostrar, no novo álbum,“uma Guiné-Bissau diferente, uma Guiné-Bissau viável, de futuro e de esperança”.

O também produtor define-se como “um crioulo”, coloca a “Guineendade acima de tudo” e admite fazer uma “política activa da cidadania” das suas músicas.

Eu faço política nas minhas músicas,  faço, mas faço política activa da cidadania, não faço política de politiquice que os políticos fazem, esquecem os objectivos que os levaram à política. Todos os políticos da Guiné-Bissau são empresários. Não pode! Isto não pode ser. Eticamente não funciona”, afirmou.

O músico, que levou a música “Paz pa Guiné-Bissau” à sede da ONU no Dia Internacional da Paz, em Setembro de 2018, está “preocupadíssimo” com a situação política no seu país, a um mês das eleições legislativas de 10 de Março.

Estou preocupadíssimo. Eu não vou mentir. Enquanto jovem e enquanto músico, vou manifestar a minha preocupação e vou apelar aos guineenses porque esta é a eleição mais perigosa para decidir o país. Nós temos uma ferida que não está sarada. Os guineenses precisam de dialogar”, continuou.

Patche Di Rima, que viveu fora da Guiné vários anos, regressou ao seu país há um ano e meio e está determinado em espalhar a “guineendade” fora de portas.

Guineendade é exprimir, falar da Guiné-Bissau sem preconceito, falar da Guiné-Bissau de esperança, falar da Guiné-Bissau de futuro, falar da Guiné-Bissau viável, falar da Guiné-Bissau de jovens corajosos com sentido de mudança, com sentido de erguer o país. É isso que me move enquanto jovem, enquanto músico e enquanto guineense”, explicou.

Para o cantor, “a música não pode servir só para o entretenimento” porque “tem que servir também para o desenvolvimento, para a consciencialização, para a paz , democracia, reconciliação”.

Veja aqui a entrevista em vídeo a Patche Di Rima:

 


Sobre o mesmo assunto

  • Cabo Verde

    Mayra Andrade levou o seu “afecto” até Paris

    Saber mais

  • Convidado

    Lídia Jorge e “a arte mais difícil de todas”

    Saber mais

  • Convidado

    A “arte interventiva” de Bordalo II em Paris

    Saber mais

  • Vida em França

    Paris acolhe instalação monumental de Joana Vasconcelos

    Saber mais

  • Vida em França

    Lucibela em Paris “para o mundo fora”

    Saber mais

  • Convidado

    Fado Clandestino quebra fronteiras em Paris

    Saber mais

  • Cabo Verde

    Jorge Humberto: 25 anos de mornas e coladeiras

    Saber mais

  • Recordes em catadupa para

    Recordes em catadupa para "A Guerra dos Tronos"

    Um fenómeno planetário, a série televisiva de todos os superlativos, de todos os prémios !Falamos, obviamente, da "Guerra dos tronos", "Game of thrones" na sua versão …

  • Nástio Mosquito, artista angolano e o engajamento na Arte

    Nástio Mosquito, artista angolano e o engajamento na Arte

    No nosso Magazine Artes, uma conversa entre o nosso correspondente, na capital portuguesa, Luis Guita com o artista multimédia angolano, Nástio Mosquito, que partilhou …

  • Modelos negros representados no Museu d'Orsay

    Modelos negros representados no Museu d'Orsay

    "O modelo negro de Géricault a Matisse" cruza história da arte e história das ideias, questiona problemáticas estéticas, mas também políticas, sociais e raciais.O Museu …

  • “Fado in Paris”: Um festival só de Fado em França

    “Fado in Paris”: Um festival só de Fado em França

    A primeira edição do festival “Fado in Paris” vai realizar-se a 6 e 7 de Abril na centenária sala de espectáculos Le Trianon. O objectivo é revelar novos nomes do Fado. …

  • Os imaginários de Binelde Hyrcan projectados em Paris

    Os imaginários de Binelde Hyrcan projectados em Paris

    O pintor e videasta angolano Binelde Hyrcan foi o convidado desta semana no ciclo "prospectiva cinema" no Centro Nacional de Arte e Cultura Georges Pompidou. Às projecções …

  •  Bluey e a arte de Incognito

    Bluey e a arte de Incognito

    Jean-Paul Maunick, cujo nome artístico é " Bluey", co-fundou com Paul "Tubbs" Williams em 1979 a banda Incognito, inserida na então corrente musical " Acid Jazz", emergida …

  • “Campo”: Um “Documensaio” português no Cinéma du Réel

    “Campo”: Um “Documensaio” português no Cinéma du Réel

    O filme “Campo”, do realizador português Tiago Hespanha, esteve em destaque no Cinéma du Réel, o Festival Internacional do Filme Documentário, em Paris, que termina este …

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
As emissões
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.