Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 22/08 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 18/08 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/08 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/08 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 22/08 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 18/08 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/08 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/08 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 22/08 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 18/08 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/08 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/08 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 22/08 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 18/08 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/08 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/08 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Urgente
365 migrantes do barco Ocean Viking vão poder desembarcar em Malta

Patche di Rima: “Eu faço política nas minhas músicas”

Patche di Rima: “Eu faço política nas minhas músicas”
 
O músico guineense Patche Di Rima nos estúdios da RFI. 12 de Fevereiro de 2019. Carina Branco/RFI

O músico guineense Patche di Rima lançou a 02 de Fevereiro o seu novo álbum, “Maratona de Amor”. O disco pretende ser um manifesto pela “guineendade” da parte de um cantor que diz fazer uma “política activa da cidadania” nas suas músicas.

‘Maratona de Amor’ cruza ritmos tradicionais da Guiné-Bissau, como o gumbé, tina, singa, com o afro beat,  zouk e kizomba. Além das línguas tradicionais guineenses, como o crioulo, o pepel, o manjaco, o fula, o mandinga, o sussu, Patche Di Rima usou o olof do Senegal, assim como o português, francês, lingala, inglês e suaíli.

Este é o terceiro disco a solo do músico guineense e foi gravado na Guiné-Bissau, em Portugal, no Reino Unido, na Holanda e nos Estados Unidos. O cantor fez um trabalho que pretende “transmitir uma mensagem de amor” e “uma parte do homem africano, concretamente da Guiné-Bissau”. Por outro lado, Patche Di Rima quis mostrar, no novo álbum,“uma Guiné-Bissau diferente, uma Guiné-Bissau viável, de futuro e de esperança”.

O também produtor define-se como “um crioulo”, coloca a “Guineendade acima de tudo” e admite fazer uma “política activa da cidadania” das suas músicas.

Eu faço política nas minhas músicas,  faço, mas faço política activa da cidadania, não faço política de politiquice que os políticos fazem, esquecem os objectivos que os levaram à política. Todos os políticos da Guiné-Bissau são empresários. Não pode! Isto não pode ser. Eticamente não funciona”, afirmou.

O músico, que levou a música “Paz pa Guiné-Bissau” à sede da ONU no Dia Internacional da Paz, em Setembro de 2018, está “preocupadíssimo” com a situação política no seu país, a um mês das eleições legislativas de 10 de Março.

Estou preocupadíssimo. Eu não vou mentir. Enquanto jovem e enquanto músico, vou manifestar a minha preocupação e vou apelar aos guineenses porque esta é a eleição mais perigosa para decidir o país. Nós temos uma ferida que não está sarada. Os guineenses precisam de dialogar”, continuou.

Patche Di Rima, que viveu fora da Guiné vários anos, regressou ao seu país há um ano e meio e está determinado em espalhar a “guineendade” fora de portas.

Guineendade é exprimir, falar da Guiné-Bissau sem preconceito, falar da Guiné-Bissau de esperança, falar da Guiné-Bissau de futuro, falar da Guiné-Bissau viável, falar da Guiné-Bissau de jovens corajosos com sentido de mudança, com sentido de erguer o país. É isso que me move enquanto jovem, enquanto músico e enquanto guineense”, explicou.

Para o cantor, “a música não pode servir só para o entretenimento” porque “tem que servir também para o desenvolvimento, para a consciencialização, para a paz , democracia, reconciliação”.

Veja aqui a entrevista em vídeo a Patche Di Rima:

 


Sobre o mesmo assunto

  • Cabo Verde

    Mayra Andrade levou o seu “afecto” até Paris

    Saber mais

  • Convidado

    Lídia Jorge e “a arte mais difícil de todas”

    Saber mais

  • Convidado

    A “arte interventiva” de Bordalo II em Paris

    Saber mais

  • Vida em França

    Paris acolhe instalação monumental de Joana Vasconcelos

    Saber mais

  • Vida em França

    Lucibela em Paris “para o mundo fora”

    Saber mais

  • Convidado

    Fado Clandestino quebra fronteiras em Paris

    Saber mais

  • Cabo Verde

    Jorge Humberto: 25 anos de mornas e coladeiras

    Saber mais

  • Filme

    Filme "Vitalina Varela" de Pedro Costa com dois Leopardos de Ouro em Locarno

    O filme "Vitalina Varela" a oitava longa metragem do realizador português Pedro Costa de 60 anos de idade, arrecadou no passado sábado (17/08) quatro prémios no Festival …

  • "Código Memória" preserva tempo de escuta

    O projecto "Código Memória" nasceu há um ano em Portugal e chegou este verão ao bairro belga de Matongé, pela mão de Hélder Wasterlain.O escritor, encenador ou ainda …

  • Angola conjuga umbundo e português

    Angola conjuga umbundo e português

    Chega às livrarias angolanas, esta sexta-feira, o dicionário de verbos conjugados em umbundu e português: “Três tempos num só modo”. O dicionário de 209 páginas traduz …

  • Lusofonia à prova em livro de receitas de África e da Europa

    Lusofonia à prova em livro de receitas de África e da Europa

    Há sabores lusófonos a criarem água na boca além-fronteiras. Marisco guineense em caldo de mancarra, cachupa cabo-verdiana, cabrito à moçambicana, polvo à maneira de …

  • O Roteiro sentimental de Cabo Verde com Vera Duarte

    O Roteiro sentimental de Cabo Verde com Vera Duarte

    No começo deste mês foi lançado, na Cidade da Praia, o livro "Cabo Verde: um roteiro sentimental, viajando pelas ilhas da Sodad, do Sol e da Morabeza", um guia de Cabo …

  •  Kakana: a nova música moçambicana

    Kakana: a nova música moçambicana

    Nesta edição de Artes vamos falar com dois elementos da banda Kakana de Moçambique, que esteve recentemente em Paris. Com Yolanda, cantora e Jimmy, guitarrista e compositor …

  • Portugal de novo distinguido pela UNESCO

    Portugal de novo distinguido pela UNESCO

    O Palácio Nacional de Mafra e o Santuário do Bom Jesus, em Braga, foram classificados, no domingo, Património Cultural Mundial da Humanidade. O Embaixador de Portugal …

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
As emissões
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.