Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 19/09 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 15/09 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/09 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 19/09 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 15/09 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/09 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 19/09 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 15/09 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/09 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 19/09 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 15/09 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/09 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Moçambique

Políticos na teia da caça furtiva

media Reserva Natural do Niassa, em Moçambique Google Maps

Em Moçambique a polícia denunciou o envolvimento em actividades de caça furtiva do administrador do distrito de Chimbonila, Felisberto Meterua, na província do Niassa. Nove pessoas foram detidas.  

O anúncio foi feito pelo porta-voz da polícia moçambicana no Niassa, Simão Mate, que denunciou o envolvimento do administrador do distrito de Chimbonila, Felisberto Meterua, em actividades de acaça furtiva, depois de ter surpreendido em plena actividade, na reserva de Maua. Nesta operação 9 pessoas foram detidas.

"O senhor administrador foi deixado livre, enquanto os restantes caçadores ficaram detidos para os procedimentos legais subsequentes, bem como a arma ficou apreendida. Importa referir aqui a atitude policial de não deter o senhor administrador e a sua família. Foi forçada... respeitando a sua função de representante do governo...embora não goze de qualquer imunidade".

Nos últimos tempos várias organizações da sociedade civil moçambicana têm vindo a denunciar casos como estes onde apontam o envolvimento de figuras ligadas ao partido no poder e ao Estado na exploração fraudulenta dos recursos naturais de que o país dispõe.

No passado mês de Maio, a organização não-governamental norte-americana Wildlife Conservation Society, anunciava que o número de elefantes em Moçambique diminuiu para metade em cinco anos, passando de 20 mil para cerca de 10 mil, devido às práticas de caçadores furtivos.

A Reserva do Niassa, na fronteira com a Tanzânia, registava até agora 70% dos elefantes de Moçambique, tendo sido particularmente atingida.

Com a colaboração do nosso correspondente em Maputo, Orfeu Lisboa.

 

 

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.