Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 11/11 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 13/11 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 11/11 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/11 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 11/11 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 13/11 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 11/11 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/11 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 11/11 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 13/11 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 11/11 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/11 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 11/11 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 13/11 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 11/11 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/11 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Moçambique

Jornalista assassinado em Maputo

media O jornalista foi baleado 4 vezes em plena rua. AFP/ Pedro Rey

A polícia está a investigar o assassínio do jornalista Paulo Machava, baleado quando fazia a sua habitual caminhada matinal no centro da capital. O jornalista passou pelos semanários Savana e Zambeze, era actualmente director do jornal electrónico "Diário de Notícias" e ficou conhecido na Rádio Moçambique com o programa "Onda matinal" sobre casos de polícia.
 

De acordo com as informações que a polícia conseguiu recolher até ao momento, o jornalista foi baleado 4 vezes na Avenida Agostinho Neto, por indivíduos armados a bordo de uma viatura, que nem sequer parou segundo testemunhas, e se puseram em fuga.

Arnaldo Chefo, porta-voz da polícia, indicou à comunicação social que o caso está a ser investigado.

Arnaldo Chefo em declarações recolhidas pelo nosso correspondente em Maputo, Orfeu Lisboa 28/08/2015 ouvir

Este caso que é o último de uma série de homicídios de figuras públicas ainda por resolver, como por exemplo a morte do constitucionalista Gilles Cistac no passado mês de Março, o que não deixou de suscitar reacções. A Comissão Moçambicana dos Direitos Humanos considera que os assassínios impunes ameaçam o estado de direito no país e por seu turno, a terceira força política de Moçambique, o MDM, interpretou o sucedido como sendo um acto de intimidação à liberdade de imprensa.

Salomão Moyana, jornalista e editor do semanário Savana,  não acredita que este crime esteja ligado à actividade jornalística de Paulo Machava mas considera que "a ameaça é transversal, uma vez que foi um jornalista que foi morto, é um jornalista de gabarito, que teve uma carreira muito boa ao longo de vários anos, Paulo Machava é jornalista desde 1977...mas o motivo da sua morte pode não ser o jornalismo, era bom que a investigação fosse um pouco mais ampla e visse  outras áreas oinde ele eventualmente estivesse relacionado"

"Paulo Machava colaborava com a unidade hoteleira complexo Kaya Kwanga, pois era amigo do dono e era também um dos líderes de uma igreja evangélica".
 

Salomão Moyana, editor do semanário Savana 28/08/2015 ouvir

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.