Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 16/08 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 18/08 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/08 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 16/08 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 16/08 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 18/08 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/08 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 16/08 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 16/08 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 18/08 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/08 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 16/08 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 16/08 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 18/08 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/08 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 16/08 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Moçambique

Moçambique comemora na crise dia da independência

media Filipe Nyusi, presidente de Moçambique, que comemora este 25 de junho 41 anos de independência Miguel Martins/RFI

Os moçambicanos comemoraram neste dia 25 de junho, 41 anos como país independente, mas vivendo em plena crise política, militar, social, financeira e económica, com a Frelimo e a Renamo de costas voltadas.

Mais um aniversário, como país independente, Moçambique, comemorou este sábado, 25 de junho, os seus 41 anos como estado soberano, tendo adquirido a sua independência de Portugal, em 1975.

Mas 41 anos passados depois da independência, depois de uma guerra colonial, com a potência colonizadora de Portugal, seguida de uma guerra civil, entre os dois principais partidos, a Frelimo e a Renamo, a situação no país é de crise política, militar, económica e financeira.

Em termos políticos, a Frelimo e a Renamo, continuam em pé de guerra e depois de mais de 2 anos de negociações e de uma mini-guerra civil, relançada entre as duas formações políticas, devido nomeadamente à contestação dos resultados das últimas eleições gerais, pela partido de Afonso Dhlakama, o menos que se pode dizer, é que os dois partidos continuam de costas.

O líder da oposição Dhlakama, que continua a esconder-se em parte incerta, suspendeu as negociações com a Frelimo, que ainda esta semana, pediu a ilegalização da Renamo, por ter voltado a pegar em armas e não respeitar o Estado de direito democrático.

Do lado da Frelimo, o governo do Presidente Filipe Nyusi, está mergulhado numa crise profunda económico-financeira, com acusações de corrupção generalizada, o que provoca descontentamento no seio da população, sem falar no desemprego de massa dos jovens.

Aliás, durante o acto central das celebrações, o presidente Filipe Nyusi, admitiu que apesar dos ganhos, mantém-se desafios que passam pelo aumento da produção e o restabelecimento da paz..

Por seu turno, a presidente da Assembleia da República de Moçambique, Verónica Macamo, considerou que o país registou avanços nas áreas da educação, saúde e até na economia durante os 41 anos de independência.

Verónica Macamo, Presidente da Assembleia da República em Moçambique 25/06/2016 ouvir

 

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.