Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 26/06 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 23/06 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/06 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 26/06 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 26/06 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 23/06 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/06 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 26/06 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 26/06 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 23/06 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/06 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 26/06 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 26/06 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 23/06 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/06 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 26/06 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Moçambique

Moçambique: Exploração de Gás Natural tem de beneficiar população

media Imagem de Ilustração. HAIDAR MOHAMMED ALI / AFP

Em Moçambique, Clara de Sousa dirigente moçambicana do Banco Mundial avisou que o país deve garantir que as receitas dos novos projectos de gás natural satisfaçam as aspirações da população.

Clara de Sousa, dirigente moçambicana do Banco Mundial, que falava na qualidade de convidada para a abertura das jornadas científicas do Banco de Moçambique na Matola, admitiu que Moçambique deve garantir que as receitas dos projectos de gás natural sejam satisfatórias para a população.

O país vai começar a exportar gás natural da Bacia do Rovuma daqui a cinco anos. Esta exploração, feita em conjunto com um consórcio, pode trazer aos cofres do Estado cerca de 16 mil milhões de dólares em 25 anos.

Os principais desafios que o país terá pela frente, segundo Clara de Sousa, são os da gestão.

Ouça as declarações de Clara de Sousa, dirigente moçambicana do Banco Mundial.

Clara de Sousa, directora do Banco Mundial para Angola e São Tomé e Príncipe 17/06/2017 ouvir

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.