Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 09/12 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 13/12 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 09/12 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/12 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 09/12 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 13/12 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 09/12 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/12 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 09/12 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 13/12 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 09/12 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/12 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 09/12 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 13/12 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 09/12 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/12 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Moçambique

Fim da greve na maior ponte suspensa em África

media Tabuleiro central da maior ponte suspensa de África a ser instalado em Maputo ANTÓNIO SILVA/LUSA

Foi levantada a greve dos trabalhadores da empresa chinesa responsável pela construção da ponte Maputo-Catimbe em Moçambique. A ponte suspensa que já é considerada a maior em África.

Em causa estava a falta de pagamento de indemnizações e de subsídios de risco pela empresa aos trabalhadores desde o início das obras em 2014.

Cerca de quatro mil trabalhadores da empresa CRBC que esta desde 2014 a construir a ponte Maputo – Catembe deverá regressar ao trabalho a partir desta segunda-feira depois de ter sido alcançado um acordo com a empresa quase uma semana depois da paralisação das suas actividades.

"Nós estamos a 100% porque as nossas expectativas eram de satisfazer todas as questões que colocámos à empresa, mas já estamos abertos para poder iniciar a actividade logo pela manhã", avança Eduardo Manuel, o porta-voz do grupo dos trabalhadores.

Os trabalhadores exigem o pagamento de uma indemnização e do subsídio de risco, contemplado no contrato, que nunca foram pagos desde o início da obras.

Uma situação que segundo Silva Magaia presidente da Maputo sul, forçou a intervenção do dono da obra; "conseguimos chegar a um entendimento. Segunda-feira voltam a reunir-se para rever a acta das negociações e pormos as nossas assinaturas. Nós, Maputo sul, continuaremos a agir como testemunhas".

Considerada a maior ponte suspensa de África e em construção desde 2014 a obra já se encontrar quase pronta como explica o nosso correspondente em Maputo, Orfeu Lisboa.

Correspondência de Maputo 22/07/2018 ouvir

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.