Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 26/06 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 23/06 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/06 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 26/06 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 23/06 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 26/06 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/06 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 26/06 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 23/06 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 26/06 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/06 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 26/06 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 23/06 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 25/06 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/06 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 25/06 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Moçambique

Tshisekedi toma posse quinta-feira

media Félix Tshisekedi, o novo chefe de Estado da RDC REUTERS

O novo chefe de Estado da República Democrática do Congo toma posse amanhã, quinta-feira. Félix Tshisekedi deverá escolher o primeiro-ministro entre os deputados pertencentes à maioria parlamentar, apoiante de Joseph Kabila.

A tomada de posse está prevista para amanhã, quinta-feira, a partir das 12 horas, locais, no palácio da nação em Kinshasa, sede da actual presidência.

Trata-se da primeira transição pacífica de poder de um chefe de Estado para outro, desde a independência do ex-Congo belga que teve lugar a 30 de Junho de 1960.

Tshisekedi, 55 anos, prepara-se para se tornar no quinto Presidente da República do país, ao assumir as funções de Joséph Kabila, que foi empossado a 20 de Janeiro de 2001. Kabila assumiu as rédeas do país dez dias depois do homicídio do pai e antecessor de Laurent Désiré Kabila pelo guarda-costas.

A vitória de Félix Tshisekedi não é reconhecida pelo candidato da oposição Martin Fayulu que se autoproclama o “presidente eleito” e denuncia um “golpe de Estado eleitoral” de Kabila com a cumplicidade de Tshisekedi.

Com cerca de 60 lugares na Assembleia e com o estatuto de segundo candidato mais votado nas presidenciais, Fayulu espera ser uma força incontornável no hemiciclo. Porém, vários observadores reconhecer a vulnerabilidade desta coligação num período de negociações à volta da futura maioria.

Após alguma hesitação, a União Africana e a União Europeia indicaram, em comunicado, que estariam dispostas a “trabalhar com o Presidente Tshisekedi e com todos os outros partidos congoleses”.
Félix Tshisekedi deverá escolher o primeiro-ministro entre os deputados pertencentes à maioria parlamentar, apoiante de Joseph Kabila.

 

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.