Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 20/01 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 23/01 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/01 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/01 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 20/01 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 23/01 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/01 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/01 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 20/01 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 23/01 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/01 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/01 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 20/01 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 23/01 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/01 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/01 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Artigo

Filipinas assinam acordo histórico de paz com guerrilha muçulmana

media O presidente Benigno Aquino (2° à direita) durante a cerimînia que celebrou o acordo com a guerrilha muçulmana do MILF, nesta quinta-feira (27), em Manila. REUTERS/ Baz Ratner

O governo das Filipinas assinou nesta quinta-feira (27) um acordo histórico com o maior grupo separatista muçulmano do sul do país, a Frente Moro de Libertação Islâmica (MILF). O acordo põe fim aos combates na região de Bangsamoro e encerra 40 anos de luta armada no arquipélago de maioria católica.

O acordo histórico foi assinado em Manila, capital das Filipinas, pelo presidente Benigno Aquino e Murad Ebrahim, líder do MILF. Os rebeldes aceitaram abandonar a luta armada em troca da criação de uma região autônoma na ilha de Mindanao, onde a maior parte dos moradores pratica o islamismo.

Pelo acordo, os líderes separatistas assumirão a gestão interina da ilha até as eleições regionais de 2016, segundo um modelo laico de administração. Os 10 mil guerrilheiros do MILF deverão entregar suas armas, de acordo com o mesmo modelo de desarmamento adotado para o IRA, na Irlanda do Norte.

O chefe do MILF declarou que o compromisso encontrado "coroa décadas de combate do grupo". Já o presidente Aquino disse que o acordo "abre o caminho para mudanças permanentes na ilha de Mindanao".

Os cinco milhões de filipinos muçulmanos, uma minoria entre os 100 milhões de habitantes majoritariamente católicos (80%), consideram o sul do arquipélago filipino sua terra ancestral. A luta dos separatistas pela independência, iniciada nos anos 70, custou a vida de 150 mil pessoas, sendo considerada uma das guerrilhas mais sangrentas da Ásia.

Observadores internacionais lembram, porém, que para garantir uma paz duradoura várias medidas ainda precisam ser aprovadas até 2016. Um outro entrave à paz é que existem grupos separatistas menores atuando na mesma região. Como eles não foram integrados nessas negociações, especialistas temem que eles possam boicotar a paz lançando novos atentados.

 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.