Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 19/09 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 22/09 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/09 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/09 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 20/09 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 22/09 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/09 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/09 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 20/09 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 22/09 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/09 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/09 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 20/09 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 22/09 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/09 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/09 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Mundo

Grupo radical islâmico sequestra mais 11 adolescentes na Nigéria

media Manifestantes protestam contra sequestro de meninas por integrantes do Boko Haram em frente da embaixada da Nigéria, em Washington. REUTERS/Gary Cameron

Mais onze adolescentes com idades entre 12 e 15 anos teriam sido sequestradas pelo grupo islâmico Boko Haram no nordeste da Nigéria. Na segunda-feira, o mesmo grupo reivindicou o rapto de 276 estudantes ocorrido em 14 de abril. Estados Unidos, França e Grã-Bretanha participam da mobilização internacional para ajudar as autoridades da Nigéria a localizar as adolescentes.

O grupo radical islâmico Boko Haram voltou a espalhar o terror entre famílias nigerianas. No domingo à noite, os rebeldes da seita islâmica raptaram mais 11 adolescentes nas aldeias de Warabe e Wale, no estado de Borno, onde o Boko Haram lidera uma onda de atentados há cinco anos. Um funcionário municipal relatou à agência AFP que os rebeldes bateram de porta em porta nas aldeias à procura das meninas.

O vídeo do líder do Boko Haram anunciando, no início da semana, que iria vender ou casar à força as adolescentes raptadas, provocou uma onda de indignação mundial. A mobilização é grande, principalmente nas redes sociais, para tentar salvar as estudantes.

Grupo milita contra a educação das mulheres

Em houssa, a língua mais falada no norte da Nigéria, Boko Haram significa "a educação ocidental é um pecado". O grupo islâmico sempre promoveu ações contra escolas e universidades, mas estes sequestros de massa de adolescente são novos.

"Terrorismo dos mais atrozes"

Nesta quarta-feira, o presidente François Hollande informou que a França "fará tudo para ajudar" o governo da Nigéria a encontrar as meninas. O porta-voz do governo francês, Stéphane Le Foll, afirmou que o Boko Haram pratica um "terrorismo dos mais atrozes" ao raptar crianças.

Os Estados Unidos já enviaram uma equipe de militares e policiais para a Nigéria, a fim de apoiar as autoridades locais na localização das adolescentes. A Grã-Bretanha também prometeu uma ajuda "concreta".

A ONU declarou que vender as meninas seria um crime contra a humanidade. Porém, há suspeitas que algumas adolescentes já tenham sido vendidas em países vizinhos, como Chade e Camarões, por US$ 12.

Hoje a polícia da Nigéria ofereceu 215 mil € de recompensa por qualquer informação sobre as 223 adolescentes.

Novo ataque deixa 300 mortos

Um novo ataque promovido pelo Boko Haram na segunda-feira teria deixado 300 mortos na localidade de Gamboru Ngala, no nordeste da Nigéria, segundo informou à agência AFP o senador Ahmed Zanna, político da região. A cidade atacada fica na fronteira com Camarões, fora do controle do Exército da Nigéria.

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.