Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 19/09 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 22/09 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/09 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/09 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 20/09 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 22/09 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/09 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/09 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 20/09 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 22/09 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/09 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/09 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 20/09 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 22/09 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/09 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/09 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Mundo

Um ano depois, adolescentes sequestradas pelo Boko Haram continuam desaparecidas

media Estudantes sequestradas pelo Boko Haram na Nigéria, em 14 de abril de 2014. AFP/via telegraph

Vigílias e manifestações acontecem nesta terça-feira (14) na Nigéria e em vários outros países do mundo para lembrar o primeiro ano do sequestro de 276 adolescentes pelo Boko Haram. Os extremistas ameaçaram vender as jovens como escravas ou realizar casamentos forçados e o rapto coletivo emocionou o mundo. Apesar de uma campanha e mobilização mundial, as jovens continuam desaparecidas.

O sequestro aconteceu em 14 de abril de 2014, quando os islamitas do Boko Haram atacaram a escola pública de meninas da cidade de Chibok, no nordeste da Nigéria. Cerca de 60 estudantes conseguiram escapar, mas o mundo continua sem notíciais de 219 jovens, apesar da campanha mundial #BringBackOurGirls, ou "Devolvam nossas meninas", lançada entre outras pessoas pela primeira-dama americana Michelle Obama.

As buscas continuam, mas até o presidente eleito da Nigéria, Muhamadu Buhari, afirmou hoje que "não pode prometer encontrar as adolescentes". Ele toma posse no dia 29 de maio e prometeu que a luta contra o Boko Haram será a prioridade de seu mandato.

Manifestações e vigílias

O aniversário de um ano do sequestro das estudantes será lembrado em uma manifestação em Abuja, capital da Nigéria, no mesmo local onde o movimento #BringBackOurGirls se reúne diariamente para pedir a libertação das reféns. Uma vigília à luz de velas acontece em uma praça da Lagos, onde há muitos meses foi instalado um painel com o nome das adolescentes sequestradas.

Em Nova York, o Empire State Building será iluminado hoje com as cores de um vestido vermelho e violeta em solidariedade às reféns. “É formidável que o mundo se lembre e transmita a mensagem que não esqueceremos as nossas meninas”, declarou Habiba Balogun, uma das coordenadoras do movimento em Lagos.

Crimes de guerra e contra a humanidade

O sequestro das estudantes de Chibok é apenas a ponta do iceberg das atrocidades cometidas pelo Boko Haram no país. Segundo um relatório da Anistia Internacional publicado nesta terça-feira (14), no último ano os extremistas sequestraram mais de 2.000 mulheres e adolescentes. No mesmo período, 5.500 pessoas foram mortas. A ONG denuncia que crimes de guerra e crimes contra a humanidade são cometidos pelo Boko Haram na Nigéria.
 

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.