Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 18/06 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 23/06 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/06 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/06 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 18/06 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 23/06 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/06 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/06 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 18/06 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 23/06 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/06 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/06 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 18/06 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 23/06 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/06 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/06 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Angola

Países lusófonos na Exposição Universal de Milão 2015

media Pavilhão de Angola presente na Expo Milão 2015 RFI/Miguel Martins

Esta semana na Exposição Universal de Milão três países lusófonos assinalam o seu dia nacional. O nosso enviado especial, Miguel Martins, dá-nos conta da visibilidade dos respectivos pavilhões no contexto global do certame.

Angola foi o único país lusófono africano a dispor de um vasto pavilhão autónomo, situado bem perto da entrada do recinto da Expo, ele tem atraído milhares de visitantes.

Com uma fachada dupla contendo elementos da cultura tchokwé o seu espólio foi construído em torno do símbolo do imbondeiro, árvore da vida, com registo para a riqueza agrícola e a dieta alimentar nacionais e ainda o papel da mulher na sociedade.

Os três demais países aqui presentes têm uma representação de menor dimensão.

Moçambique integrou o cluster dos cereais e tubérculos expondo as suas potencialidades, a nível agrícola e cultural com recurso a ecrãs digitais de informação sobre o país que ainda ontem assinalava o seu dia aqui em Milão.

A Guiné-Bissau também festejou o seu, mas já na quinta, no seu pavilhão integrado no cluster das ilhas e do mar onde entre artesanato, música e filmes se permite ao visitante conhecer as potencialidades da pátria de Amílcar Cabral.

Este domingo será a vez de São Tomé e Príncipe celebrar o seu dia, situado no cluster do cacau.

Um recinto onde se pode saborear chocolate, apreciar o artesanato e as imagens do povo e das belezas naturais do arquipélago.

A lusofonia não se fica por África: Timor Leste, situado no cluster do café, tem divulgado o seu know how, o artesanato e as fotografias do povo maubere abrilhantam a área.

Maior espaço tem o Brasil, com o oitavo maior pavilhão do certame, apostado na divulgação dos Jogos Olímpicos do próximo ano.

O mundo tinha encontro nesta Expo 2015, uma visibilidade que os países lusófonos não quiseram deixar passar ao lado, como nos explica o nosso enviado especial a Milão, Miguel Martins.

Correspondência do nosso enviado especial a Milão, Miguel Martins 26/09/2015 ouvir

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.