Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 16/07 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 20/07 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 16/07 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/07 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 16/07 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 20/07 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 16/07 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/07 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 16/07 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 20/07 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 16/07 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/07 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 16/07 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 20/07 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 16/07 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/07 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Mundo

Rússia apostou na segurança alimentar

media Expo Milano 2015

Nikolai Vavilov, inventor russo da teoria dos « centros da diversidade » é alvo de destaque no Pavilhão russo da EXPO-2015. No entanto a sua lição não foi ouvida : pelo menos cerca de 30 espécies que ele procurava proteger deixaram de existir.

Se há um homem que podia ter respondido à pergunta : « Como alimentar o planeta » é mesmo Nikolai Vavilov, botânico e perito russo em genética russo (1887-1943) de renome mundial que consagrou a vida à luta contra a fome.

O pavilhão russo em Milão abriu a sua apresentação com uma instalação de tábuas com legumes oriundos das dezenas de expedições de Vadilov à volta do mundo. Impressionado enquanto jovem pelas cenas de camponseses a definhar de fome nas margens do rio Volga, este investigador genial tornou-se criador da bio-etnologia e da teoria dos « centros de diversidade », zonas bio-geográficas nas quais existe uma forte variação genética para uma espécie específica.

O banco das sementes fundado com base nestas colecções é apresentado no Pavilhão russo sob a forma de uma parede iluminada por tábuas presentes. A colecção é preciosa pelo seu alcance científico e parece-se, devido à delicadeza dos seus objectos, com os herbanários medievais. A lição de Vavilov não foi porém ouvida : pelo menos cerca de trinta espécies que ele quis proteger já não existem.

Na parede oposta, uma outra instalação luminosa reproduz o « Quadro periódico dos elementos químicos » descoberto por Dmitri Mendeleev no século XIX.

O regresso ao passado continua no piso superior, no restaurante. A decoração evoca a do Transsiberiano dos anos 50 do século passado, o famoso vagão restaurante dos comboios soviéticos com os seus porta-copos, o seu chá intenso e a sua vodka. O pavilhão russo imprimiu mesmo a nostalgia na sua ementa milanesa.

A vodka bem como bebidas nacionais menos conhecidas do público internacional suscitam o entusiasmo dos visitantes no « Bar de água”. O “kvass”, bebida antiga de centeio fermentado é há já muito tempo símbolo da cozinha russa… e do patriotismo imposto pelos poderes que voltou a estar na moda no país. “Patriotismo do kvass” ou “nacionalismo xenófobo” nascera na época napoleónica quando as personagens de Tolstoi substituíam aquando das reuniões da corte imperial, o champanhe francês pelas bolhas nacionais. Esta atitude renasce na Rússia contemporânea.

“Importo-zamechenie” ou a substituição dos produtos de importação, é fortemente encorajado pelos poderes como resposta às sanções ocidentais contra a Rússia.

 

Expo Milano 2015

O kvass também está em destaque no espaço consagrado às obras-primas da cozinha. Ele é utilizado nomeadamente como molho pelo jovem chefe Anton Kovalkov (restaurante moscovita « Farenheit ») para a versão russa do risotto.

Em vez do arroz o prato compõe-se de três cereais antigos : a cevada, a espelta e o trigo sarraceno. As provas gratuitas têm lugar seis vezes por dia, os pratos mudam de dois em dois dias para o prazer dos visitantes na posse de um « pass » permanente, mas os ingredientes esquecidos e antigos são apresentados em cada uma das provas.

O espaço dedicado à culinária é construído com a forma de um grande livro aberto. Além de qualquer simbolismo que este design poderia imprimir, trata-se de um livro em concreto. Os organizadores do pavilhão, com a ajuda da editora « Chernovic » publicaram uma obra colectiva com o nome de « Cozinha da Rússia, regional e contemporânea ».

O presidente do « Chernovic » Serguei Chernov alega não ter visado uma dimensão enciclopédica : « Gostaríamos conceber sobretudo um álbum bonito para mostrar a todos os que não conhecem a Rússia, tanto os estrangeiros como os nossos compatriotas, que estas cozinhas

O livro é muito bem ilustrado : junto com as fotografias dos pratos e desenhos de hortaliças, cereais e frutos ele contém também magníficas paisagens russas de fotógrafos ilustres. Acompanham os capítulos dedicados às grandes regiões da Rússia do Cáucaso até à Sibéria e ao Extremo Oriente, também espaços para as mais de 100 variedades de cogumelos, tão amados pela cozinha russa, e receitas antigas adaptadas à vida moderna.

« As receitas deveriam ser simples e fáceis para os amadores de cozinha, tal era a condição sine qua non», sublinha Sergei Chernov.

O terceiro andar do pavilhão russo é um local particularmente apreciados pelos visitantes da Exposição. Trata-se do tecto mais alto e com a vista mais bonita, à parte a Itália (« não teria sido educado construir mais alto do que o país anfitrião » sorri a representante do pavilhão russo Maria Youdina).

 

Expo Milano 2015

No serão e até à meia-noite ele transforma-se em bar com animações e música. A escada que leva até lá está decorada com cartazes soviéticos sobre temas agrícolas.

Os kolhózios apresentam belíssimas espigas de trigo, num apelo aos seus compatriotas para alimentar ainda melhor a pátria soviética. A data da criação destas obras coincide com a morte de Nikolai Vavilov no Goulag estalinista de distrofia, ligada a uma sub-alimentação aguda.

 Guélia Pevzne, do serviço em russo da RFI

 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.