Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 18/10 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 13/10 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/10 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/10 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 18/10 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 13/10 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/10 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/10 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 18/10 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 13/10 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/10 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/10 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 18/10 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 13/10 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/10 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/10 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Mundo

Suspensão das negociações para um cessar-fogo na Síria

media O maior hospital do bairro rebelde de Alepo ficou destruído ontem. REUTERS/Abdalrhman Ismail

Conforme anunciado ontem pela Casa Branca, os Estados unidos decidiram suspender o diálogo com a Rússia na tentativa de alcançar um novo cessar-fogo, uma decisão que veio na sequência da destruição total do maior hospital do sector rebelde de Alepo que desde há mais de uma semana está a enfrentar um dilúvio de fogo que de acordo com Washington é da responsabilidade de Moscovo e das tropas governamentais sírias.

Ao desmentir qualquer relação com este bombardeamento, o Kremlin referiu esperar que a "sabedoria política" vai prevalecer do lado dos Estados Unidos que, por sua vez, através do seu secretário de Estado, John Kerry, referiram que "não abandonaram a Síria" e que vão continuar a procurar um plano de paz para este país onde, em 5 anos de guerra, já morreram mais de 300 mil pessoas.

Na óptica da especialista do Médio Oriente Maria João Tomás, enquanto não se esclarecer os interesses de cada interveniente no conflito sírio, não haverá solução para esse país.

Especialista portuguesa do Médio Oriente, Maria João Tomás 04/10/2016 ouvir

 

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.