Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 19/09 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 22/09 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/09 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/09 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 20/09 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 22/09 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/09 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/09 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 20/09 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 22/09 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/09 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/09 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 20/09 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 22/09 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/09 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/09 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Mundo

Presidente da França alerta para consequências da queda de Mossul

media  
Presidente François Hollande recebeu Ministros da Defesa de 12 países da coligação anti - E.I. REUTERS/Charles Platia

Estão reunidos em Paris os Ministros da Defesa de 13 países membros da coligação internacional, envolvidos na ofensiva contra a cidade iraquiana de Mossul, o mais importante reduto do Estado Islâmico. No discurso de abertura, o Presidente François Hollande fez um apelo para que se  "anticipem as consequências da queda de Mossul, nomeadamente o regresso de muitos “jihadistas”aos seus países de origem, e a retirada para Raqa, na Síria.

Enquanto as tropas de elite iraquianas se aproximavam nesta Terça-feira do leste de Mossul, apoiadas pela coligação internacional, os treze ministros da Defesa dos países da coligação reuniam na capital francesa, para o quinto encontro desde o início da operação contra o Estado Islâmico.

O grupo deve examinar o avanço no teatro de operações, estudar movimentações futuras, e sobretudo prevêr as consequências da queda daquele importante bastião do auto-proclamado Estado Islâmico.

De acordo com estimativas ocidentais, entre 5.000 e 6.000 combatentes do E.I. estão presentes em Mossul, e  no seu discurso de abertura, o Presidente francês foi bastante claro quanto à necessidade de um trabalho conjunto, de uma grande vigilância e coordenação entre os países da coligação, e alertou para as principais  consequências da queda de Mossul : 

"Nós sabemos que, à medida –que o Estado Islâmico fôr recuando, esta organização terrorista vai tentar atacar em toda a parte. E por isso, também aí temos de dar provas de uma grande vigilância e duma grande coordenação". afirmou François Hollande (...)   

"Nós devermos fazer de modo que o Estado Islâmico seja erradicado e destruído em toda a parte, porque toda e qualquer fortaleza sua, será uma ameaça para os nossos próprios interesses, e para a nossa segurança", acrescentou ainda o Presidente francês. 
 

 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.