Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 12/11 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 17/11 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 12/11 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/11 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 12/11 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 17/11 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 12/11 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/11 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 12/11 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 17/11 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 12/11 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/11 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 12/11 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 17/11 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 12/11 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/11 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Mundo

Dilma apoia eventual candidatura de Lula às presidenciais de 2018

media Antiga Presidente Brasileira Dilma Rousseff hoje em Lisboa Foto: Luís Guita

A ex-presidente do Brasil encontra-se actualmente em Lisboa onde abre amanhã o Ciclo de Conferências do Teatro da Trindade com a conferência intitulada «Neoliberalismo, desigualdade, democracia sob ataque». Em Agosto de 2016, menos de dois anos após ter sido reeleita Presidente do Brasil com 54,5 milhões de votos, Dilma Rousseff foi destituída do cargo pelo Congresso, acusada de cometer crime de responsabilidade no exercício do cargo. Nos últimos meses, Dilma tem viajado pelo mundo para denunciar o que chama de “assalto à democracia”.

Hoje, em Lisboa, em conferência de imprensa, Dilma Rousseff tornou a denunciar o “golpe parlamentar” que a afastou da presidência. A seu ver, os argumentos que sustentaram o seu afastamento poderiam ser vistos como “irregularidade administrativa”, um motivo que não é suficiente para levar a um "impeachment". Ao referir igualmente ter sido alvo de misoginia durante este processo, Dilma referiu que isso se manifestou “na construção de uma linguagem, com conteúdo específico, que cria um preconceito disfarçado”.

Referindo-se à situação actual do seu país, A ex-presidente criticou as medidas adoptadas pelo executivo de Michel Temer, em particular a decisão de congelar as despesas públicas nos próximos vinte anos nos sectores da educação e da saúde. Para Dilma Rousseff, trata-se da "continuidade do golpe parlamentar”.

Entretanto, relativamente às presidenciais de 2018 no seu país, depois de alguns dias atrás em Genebra ter considerado "vital" que o seu antecessor Lula da Silva apresente a sua candidatura, Dilma Rousseff fez saber que não tem intenções de se candidatar a nenhum cargo político e que a sua prioridade é apoiar o ex-presidente Lula da Silva na eventualidade de ele se candidatar. Embora o antigo presidente seja alvo de inquéritos sobre o escândalo Petrobras, de acordo com uma recente sondagem Lula recolhe 38% de intenções de voto, dados que do ponto de vista de Dilma tornam a sua candidatura viável.

Dilma Rousseff em declarações recolhidas por Luis Guita em Lisboa 14/03/2017 ouvir

 

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.