Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 22/10 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 23/10 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/10 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/10 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 22/10 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 23/10 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/10 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/10 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 22/10 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 23/10 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/10 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/10 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 22/10 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 23/10 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/10 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/10 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Mundo

Estados Unidos: Trump anula decreto de Obama sobre o ambiente

media Donald Trump assinou ontem um decreto sobre a "independência energética" que anula o "Clean Power Plan" de Barack Obama. ©REUTERS/Carlos

Donald Trump anulou ontem um decreto que tinha sido estipulado por Barack Obama e que visava reduzir as emissões de CO2. O objectivo do presidente norte-americano é o de relançar a indústria de carvão que tem sido deixada de lado com o investimento nas energias renováveis.

Donald Trump assinou ontem um decreto intitulado "independência energética" que anula o "Clean Power Plan" de Barack Obama. O antigo decreto, que tinha sido estipulado pelo ex-presidente Barack Obama, visava reduzir as emissões de CO2 produzidas pelas centrais térmicas.

As medidas ambientais de Obama estavam a ter impactos concretos: em 2015, o carbono já só representava 21% da produção total de energia nos Estados Unidos, o nível mais baixo desde 1986. O número de empregos também desceu drasticamente: entre 2008 e 2016, houve menos 20.000 empregos no sector. 

É nomeadamente devido a isto que Donald Trump afirma querer "acabar com a guerra contra o carvão". O objectivo político do presidente dos Estados Unidos é claro: entre os 5 Estados mais dependentes da produção de carvão, 4, com a excepção do Illinois, votaram em Donald Trump nas eleições presidenciais. 

Várias entidades destes Estados já estão a congratular-se com a decisão do presidente norte-americano. É o caso da Associação Nacional de Mineiros que disse que a revogação do "Clean Power Plan" salvará 27.700 empregos no sector das minas e cerca de 100.000 na cadeia de produção de carvão. 

Consternação dos ambientalistas

Esta medida de Donald Trump está a gerar consternação entre os ambientalistas que consideram que será impossível os Estados Unidos conseguirem cumprir os objectivos estipulados no acordo da COP21. Estes pretendiam que o país reduzisse de 28% as suas emissões de CO2, até 2025, relativamente aos níveis de 2005. 

No entanto, a mensagem enviada pela administração de Donald Trump é clara: não vai ser o clima que vai guiar a política dos Estados Unidos. O presidente dos Estados Unidos está assim a meter em práctica o seu discurso em que afirmava que não são as actividades humanas que estão a criar o aquecimento global. 

João Branco, presidente da Quercus, considera que, com esta decisão, todos os esforços que visam reduzir as emissões de gases com efeito de estufa passam a ser inconsequentes.

João Branco, presidente da Quercus 29/03/2017 ouvir

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.