Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 21/01 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 19/01 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/01 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/01 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 21/01 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 19/01 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/01 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/01 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 21/01 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 19/01 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/01 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/01 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 21/01 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 19/01 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/01 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/01 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.

Amnistia Internacional: pena de morte recuou em 2016

Amnistia Internacional: pena de morte recuou em 2016
 
Este relatório està disponível na página da ONG. ANTHONY WALLACE / AFP

A ONG de defesa dos Direitos Humanos Amnistia Internacional publicou o seu relatório anual sobre a pena de morte, um documento no qual constata que no ano de 2016 foram oficialmente executadas 1032 pessoas, o que representa uma diminuição global de 37% comparando com os dados de 2015, isto contudo sem contar com a China, país que não forneceu dados para este relatório mas que segundo estimativas da Amnistia Internacional poderia ter executado umas 2000 pessoas.

Ainda de acordo com esta organização, 90% das execuções a nível mundial concentram-se em cinco países. Para além da China, trata-se do Irão, do Paquistão, da Arábia Saudita e do Iraque, o que para a Amnistia internacional facilita a identificação dos alvos de uma acção para a abolição da pena de morte.

Relativamente à África subsariana, a Amnistia Internacional dá conta de dados paradoxais: enquanto há uma crescente tendência para abolir ou recorrer o menos possível a esta prática numa larga maioria de países, certos outros como a Nigéria conhecem aumentos substanciais das condenações à pena de morte.

Em entrevista com a RFI, Pedro Neto, director executivo da secção portuguesa da Amnistia Internacional analisou estes novos dados, designadamente a tendência para a diminuição global da aplicação da pena capital.
 

  • Donald Trump: ano I

    Donald Trump: ano I

    Faz este Sábado um ano que Donald Trump foi investido como Presidente dos Estados Unidos, um ano de uma presidência feita de múltiplos choques, nomeadamente …

  • Recta final antes das intercalares de Nampula

    Recta final antes das intercalares de Nampula

    No dia 24 de Janeiro estão previstas eleições intercalares em Nampula no norte de Moçambique, na sequência do assassinato no passado …

  • Guiné-Bissau: e agora?

    Guiné-Bissau: e agora?

    Ontem, o Presidente guineense aceitou a demissão do Primeiro-Ministro Umaro Cissoko Embalo, uma decisão que coincidiu com o fim do prazo estipulado pela …

  • "Dramático declínio de liberdade" na Guiné-Bissau

    A liberdade no mundo atingiu em 2017 o pior nível em 12 anos. A conclusão é da Freedom House que hoje publicou o seu relatório anual sobre …

  • Clima volátil em São Tomé e Príncipe

    Clima volátil em São Tomé e Príncipe

    Promulgada a lei para a criação do Tribunal Constitucional, foram eleitos hoje os 5 juízes desta entidade numa sessão parlamentar movimentada …

  • A dança falada de

    A dança falada de "Act est Fabula"

    Em palco cinco bailarinos, cada um assume os seus movimentos individuais num grupo colectivo dirigido, pelo coreógrafo israelita Yuval Pick. O espectáculo …

  • Cabo Verde: jornalistas receiam censura

    Cabo Verde: jornalistas receiam censura

    Em Cabo Verde a proposta de um código de Ética na Radio e Televisão está a ser fortemente contestada pelos jornalistas que consideraram que …

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
As emissões
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.