Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 20/05 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 25/05 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/05 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 25/05 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 20/05 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 25/05 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/05 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 25/05 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 20/05 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 25/05 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/05 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 25/05 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 20/05 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 25/05 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/05 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 25/05 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Mundo

Turquia: início do julgamento de 11 militantes dos direitos humanos

media Detidos em Julho de 2017 durante um atelier de formação na ilha de Büküyada, teve hoje início em Istambul o julgamento de 11 militantes dos direitos humanos. REUTERS/Osman Orsal

Na Turquia, teve hoje início o julgamento de onze militantes dos direitos humanos, incluindo dois dirigentes da ONG Amnistia Internacional, acusados de terrorismo.

Detidos em Julho de 2017 durante um atelier de formação na ilha de Büküyada, teve hoje início em Istambul o julgamento de 11 militantes dos direitos humanos. Entre os detidos, encontra-se Idil Eser, directora da Amnistia Internacional na Turquia, assim como Taner Kiliç, presidente da mesma associação no país.

 

Enquanto que Kiliç é acusado de ter "pertencido a uma organização terrorista armada", os outros são suspeitos de terem "ajudado uma organização terrorista". Segundo a procuradoria, as organizações em questão são o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), o movimento de Fethullah Güllen (acusado de estar na origem da tentativa de golpe de Estado de Julho de 2016) e um movimento de partido de extrema-esquerda intitulado DHKP-C. Caso sejam declarados culpados, a pena poderá chegar a 15 anos de prisão.

 

A Amnistia Internacional recusa categoricamente qualquer acusação. Num comunicado, a organização diz que as acusações são "infundadas" e "absurdas". Já John Dalhuisen, director do programa Europeu da Amnistia Internacional, em declarações à AFP, afirmou que o que está verdadeiramente em causa neste julgamento é o "estado dos direitos do Homem na Turquia assim como o do sistema judiciário turco".

 

Consternação na comunidade internacional

A decisão de Ancara levar a julgamento os 11 militantes está a gerar consternação na comunidade internacional, que teme uma deriva autoritária na Turquia. Desde Julho de 2016, aquando de um golpe de Estado falhado, foram detidas cerca de 50.000 pessoas, entre as quais jornalistas, professores e membros da sociedade civil.

 

O julgamento, aliás, já está a ter repercussões diplomáticas. Em resposta à detenção de Peter Steudtner, um dos militantes de origem alemã, Berlim anunciou que iria alterar as suas políticas económicas relativas a Ancara. Já a Suécia também convocou o embaixador turco no país para lhe comunicar que se sente "preocupada" com a detenção de outro cidadão sueco: Ali Gharavi.

 

Pedro Neto, director executivo da Amnistia Internacional em Portugal, considera que o julgamento nunca deveria ter acontecido mas espera que seja a ocasião para se apurarem os factos.

Pedro Neto, director executivo da Amnistia Internacional em Portugal 25/10/2017 ouvir

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.