Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 19/09 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 15/09 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/09 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 19/09 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 15/09 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/09 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 19/09 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 15/09 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/09 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 19/09 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 15/09 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/09 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Mundo

China riposta a taxas alfandegárias dos Estados Unidos

media O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o seu homólogo chinês, Xi Jinping. JIM WATSON/AFP

A China anunciou hoje que irá introduzir taxas sobre a importação de 128 produtos americanos. É esta a resposta de Pequim à medida que tinha sido introduzida pelo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, no início de Março, quando anunciou que iria levantar barreiras alfandegárias ao aço e de alumínio.

128 produtos americanos vão ter agora mais dificuldade em entrar em terrritório chinês. Após o anúncio de medidas de Donald Trump, qualificadas de "proteccionistas" pela comunidade internacional, Pequim decidiu hoje ripostar no que parece marcar o prelúdio de uma verdadeira guerra comercial. 

A 22 de Março, o Presidente dos Estados Unidos decidiu adoptar novas tarifas sobre uma série de produtos chineses, no valor de 60 bilhões de euros. Ao invocar "a segurança nacional dos Estados Unidos", Trump levantou as taxas de importação do aço (em 25%) e do alumínio (10%).

Foram várias as críticas da comunidade internacional, nomeadamente da União Europeia e do Canadá, que acabaram por ficar isentas destas novas medidas económicas. Não foi o caso de Pequim, optando Trump por cumprir uma das suas promessas da campanha eleitoral, em que prometia equilibrar a balança comercial entre a China e os Estados Unidos, já que Pequim tem um défice de 375,2 bilhões relativamente a Washington. 

Após esta medida, foram várias as semanas de tensões entre os dois países, com o ministro chinês do comércio, Zhon Chang, a afirmar que as medidas de Trump eram "um abuso das normas da Organização Mundial do Comércio (OMC)" e que esperava "que os Estados Unidos abandonassem o mais rapidamente possível as medidas para a retomada normal do comércio sino-americano". 

Tendo em conta que Trump decidiu não arredar pé, a China anunciou hoje que iria introduzir novas taxas sobre 128 produtos americanos. Por enquanto, são produtos oriundos sobretudo da indústria alimentar (como frutas ou carne de porco) mas, ainda assim, Pequim promete aumentar a fasquia caso Washington não recue.

Com várias empresas americanas de renome presentes em solo chinês, como a Boeing, a China pode realmente lançar uma guerra comercial caso decida taxá-las. 

Ainda assim, o ministro do Comércio americano, Wilbur Ross, afirmou que estas primeiras medidas de Washington são meramente "um prelúdio para um início de negociações". 

Arnaldo Gonçalves, professor no Instituto Politécnico de Macau, considera que estas medidas se assemelham muito ao cenário de há 10 anos, em que também houve um confronto entre a Europa e a China. 

Arnaldo Gonçalves, professor no Instituto Politécnico de Macau 02/04/2018 ouvir

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.