Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 15/09 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 19/09 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/09 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 15/09 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 20/09 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/09 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 15/09 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 19/09 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/09 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 19/09 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 15/09 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/09 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Mundo

Retaliação da China a tarifas alfandegárias americanas

media Presidente chinês Xi Jinping, replica com tarifas alfandegárias àquelas de Donald Trump Greg Baker / AFP

Pequim replicou à política americana de tarifas alfandegárias avançando com a sua própria lista de produtos americanos à qual será aplicada taxas anuais de 50 mil milhões de dólares. As tarifas aplicadas dos dois lados representarão ao total 100 mil milhões de dólares, naquilo que certos analistas vêm como uma guerra comercial entre os 2 países.

A China decidiu avançar com represálias à política fiscal americana de taxas alfandegárias, adoptando uma lista de produtos americanos importantes que vai sofrer taxas simétricas num valor de 50 mil milhões de dólares anualmente.

Era esse o montante das tarifas alfandegárias aplicadas pelos Estados Unidos a produtos diversos chineses. As taxas de 100 mil milhões de dólares, representam uma boa parte dos cerca de 580 mil milhões de dólares de mercadorias comercializadas entre os 2 paises em 2017.

Pequim, vai assim aplicar tarifas a produtos americanos como soja ou indústria automóvel e avionetas americanas, estratégicos para a economia americana.

Atacando o sector de soja, Pequim carrega lá onde faz mal, explica Zhang Monan, investigador no centro chinês de trocas económicas internacionais. "Se a China se vinga na agricultura americana, penso que,Trump perderá muitos dos seus eleitores", sublinha o especialista chinês.

Por ora, nem Washington, nem Pequim, anunciaram uma data de entrada em vigor destas tarifas alfandegárias, que no entanto, desde o primeiro anúncio de Trump, têm sido denunciadas a nível internacional, como medidas protecionistas.

Certos analistas vão mais longe e denunciam uma guerra comercial entre a China e os Estados Unidos.

Mas Donald Trump, que inicialmente via como saudável uma guerra comercial, escreveu agora na sua conta twitter, que "não há guerra comercial" nenhuma entre os 2 países.

Trump, afirma pelo contrário, que "há um défice comercial de 500 mil milhões de dólares anuais que benificia a China", o que não pode continuar, tanto mais que há também um "roubo de propriedade intelectual chinês de cerca de 300 mil milhões de doláres anuais".

O presidente americano,Trump, sublinha que essa guerra comercial foi perdida há vários anos por "imbecis e incompetentes que representaram os Estados Unidos no passado", mas com ele as coisas têm de mudar.

Do lado da China, invariavelmente, Pequim, vem repetindo que "ninguém sai vencedor duma guerra comercial". 

Retaliação da China a tarifas alfandegáas americanas 04/04/2018 ouvir

   

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.