Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 17/02 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 22/02 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/02 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/02 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 17/02 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 22/02 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/02 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/02 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 17/02 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 22/02 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/02 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/02 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 17/02 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 22/02 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/02 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/02 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Mundo

ONU: Resposta de Israel "totalmente desproporcionada"

media Alto Comissário da ONU para os Direitos Humanos, Zeid Ra'ad al-Hussein. REUTERS/Pierre Albouy

O Alto comissário da ONU para os Direitos Humanos Zeid Ra'ad al-Hussein considerou hoje que a resposta de Israel às manifestações palestinianas na Faixa de Gaza foram "totalmente desproporcionada". Este responsável defendeu igualmente hoje em Genebra um inquérito internacional independente sobre os 60 mortos resultantes da repressão pelo exército israelita de uma manifestação de palestinianos na segunda-feira para protestar contra a instalação pelos Estados Unidos da sua embaixada em Jerusalém.

Para o Alto comissário da ONU para os Direitos Humanos, os cerca de 2 milhões de habitantes da Faixa de Gaza são literalmente "mantidos enjaulados num bairro da lata desde a nascença até à morte" e os actos dos manifestantes "não pareciam constituir uma ameaça iminente de morte ou de agressão mortífera que pudesse justificar o uso de uma força letal". Em resposta, Aviva Raz Shechter, representante permanente de Israel na sede da ONU em Genebra, lamentou que "uma vez mais" o Conselho dos Direitos do Homem resvale para "uma obsessão anti-Israel".

Paralelamente na Turquia, país cujo Presidente não tem parado de denunciar a atitude de Israel, decorreu hoje em Istambul uma manifestação com milhares de pessoas em solidariedade para com os palestinianos, em paralelo com uma cimeira extraordinária da Organização da Cooperação Islâmica cujo comunicado final apela a "uma protecção internacional do povo palestiniano" e "condena as acções criminosas contra civis desarmados" na Faixa de Gaza. Contudo, pouco se espera deste encontro tendo em conta as divisões entre os países Árabo-muçulmanos, designadamente com a Arábia Saudita mais próxima do que nunca de Telavive na sua aliança contra o Irão.

Também pouco se espera da reunião do Conselho de Segurança da ONU na próxima Segunda-feira para examinar um projecto de resolução do Koweit condenando o uso da força por Israel contra os palestinianos e se reclama o desdobramento de uma força de protecção internacional nos territórios ocupados. Os Estados Unidos, membro permanente e aliados de Israel, não hesitaram já em utilizar o seu direito de veto quando se tratou de tentar adoptar esta semana uma resolução apelando a um inquérito independente e transparente sobre o sucedido.

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.