Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 19/07 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 14/07 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/07 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/07 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 19/07 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 14/07 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/07 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/07 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 19/07 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 14/07 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/07 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/07 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 19/07 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 14/07 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/07 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/07 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Mundo

Referendo nas Comores reforça poderes presidenciais

media O Presidente das Comores, Azali Assoumani, a 30 de Julho de 2018, durante o acto eleitoral. TONY KARUMBA / AFP

A população das Comores aprovou ontem, com uma larga maioria, uma reforma constitucional que reforça os poderes do Presidente, permitindo-lhe, nomeadamente, apresentar a sua candidatura duas vezes seguidas, anunciou hoje a comissão eleitoral independente.

O cidadãos do arquipélago das Comores foram chamados às urnas dos, para um referendo, no qual deviam responder se desejavam, ou não, reforçar os poderes do Presidente.

O "Sim" obteve 72.240 votos, ou seja 92,74% dos votos, enquanto o "Não" apenas conseguiu 3.338 votos, ou seja, 7,26% dos sufrágios, declarou hoje o presidente da comissão eleitoral independente, Ahmed Mohamed Djaza, em conferência de imprensa.

A participação neste referendo atingiu os 63%, o que é considerado como bastante positivo, e o Presidente Azali Assoumani - que tinha chegado ao poder em 2016, depois dum golpe de Estado - fica assim com o caminho livre para poder apresentar-se para dois mandatos sucessivos de cinco anos.

A oposição, que tinha apelado ao boicote, já veio afirmar públicamente que houve fraude eleitoral.

O Presidente já suprimiu os três postos de Vice- Presidente e o Tribunal Constitucional, e fez do Islão a religião de Estado, num País de menos de um milhão de habitantes, onde 99% da população é muçulmana.

 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.