Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 25/06 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 23/06 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/06 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 25/06 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 25/06 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 23/06 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/06 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 25/06 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 25/06 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 23/06 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/06 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 25/06 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 25/06 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 23/06 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/06 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 25/06 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Mundo

Braço-de-ferro entre Bruxelas e Itália

media Sede da Comissão Europeia, Bruxelas. REUTERS/Francois Lenoir

A Comissão Europeia chumbou o plano orçamental de Itália para o próximo ano, um “chumbo” inédito na história da União Europeia. Matteo Salvini, líder da extrema-direita italiana e ministro do Interior, respondeu que o governo de Roma vai manter o Orçamento do Estado para 2019 mesmo que a Comissão Europeia “mande 12 cartas”.

Bruxelas já tinha pedido clarificações ao governo italiano numa carta que foi entregue em mão pelo comissário Pierre Moscovici em Roma. A missiva também tinha sido enviada a Portugal, Bélgica, Eslovénia, Espanha e França, mas o teor da carta dirigida ao executivo italiano denunciava uma derrapagem orçamental “sem precedentes na história do Pacto de Estabilidade e Crescimento”.

Na segunda-feira, Roma respondeu à Comissão Europeia e explicou que a proposta de orçamento ficaria inalterada, apesar de “não estar em linha com as regras do Pacto de Estabilidade e Crescimento”, algo que foi uma “decisão difícil, mas necessária, à luz do persistente atraso na recuperação económica”.

Para 2019, a Itália prevê um défice de 2,4% do PIB, uma dívida de 130% e um crescimento de 1,5%, mas os números preocupam a Comissão Europeia que vê as previsões sobre o crescimento como demasiado optimistas, o que pode provocar o “risco” de aumento do défice.

Para Miguel Alegre, mestrando em assuntos europeus em Sciences-Po, em Paris, trata-se de "um braço-de-ferro entre a Comissão e o governo italiano e não se augura nada de bom". Ainda assim, não deverá haver um “risco de contágio alarmante” a Portugal, Espanha ou Grécia.

Miguel Alegre notou que “mesmo um governo que se diz quase populista, como o governo austríaco, já veio dizer que não apoia esta irresponsabilidade fiscal do governo italiano”.

Oiça aqui a análise.

A análise de Miguel Alegre 24/10/2018 ouvir
Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.