Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 13/09 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 15/09 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/09 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 13/09 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 15/09 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/09 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 13/09 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 15/09 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/09 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 13/09 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 15/09 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/09 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Mundo

HRW denuncia violência sexual na Coreia do Norte

media Vista panorâmica de Pyongyang, capital da Coreia do Norte. Katie Garrod/Getty Images

A violência sexual contra as mulheres realizada por homens em posição de poder será tão comum na Coreia do Norte que passou a ser aceite como parte de vida quotidiana, indica a Human Rights Watch num relatório divulgado esta quinta-feira.

"Chora-se à noite, sem se saber porquê" é o nome do relatório da Human Rights Watch que denuncia a violência sexual contra as mulheres na Coreia do Norte. O documento incide no abuso sexual por parte de homens em posições oficiais de poder e na ausência de resposta do governo perante estes casos.

O relatório utiliza pseudónimos, uma vez que todos os sobreviventes entrevistados mostraram preocupação sobre as possíveis consequências para os familiares na Coreia do Norte.

A Human Rights Watch insta o governo norte-coreano a reconhecer o problema da violência sexual a exija que a polícia investigue os casos independentemente da posição ou estatuto dos alegados autores e a penalizar os infractores.

A organização de direitos humanos defende a criação de condições que permitam a existência de denúncias anónimas sobre violência sexual por parte de funcionários do governo e a recolha estatística das queixas.

Por fim, a HRW Coreia do Sul, Estados Unidos, Japão, União Europeia, agências da ONU e organizações não-governamentais com presença na Coreia do Norte para pressionarem Pyongyang a realizar as reformas recomendadas no relatório.

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.