Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 16/10 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 13/10 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/10 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 16/10 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 16/10 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 13/10 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/10 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 16/10 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 16/10 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 13/10 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/10 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 16/10 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 16/10 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 13/10 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/10 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 16/10 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Mundo

Médicos cubanos deixam Brasil de regresso a Cuba

media Assembleia nacional de Cuba, por ocasião da revisão da constituição, que continua a ser de regime de partido único Irene Perez/Courtesy of Cubadebate/Handout via Reuters

Começaram a sair do Brasil, os médicos cubanos do Programa Mais Médicos, criado em 2013, pela ex-presidente, Dilma Roussef. Assim, deixaram, hoje, Brasília, cerca de 200 profissionais cubanos da saúde, para Cuba, de um total de 8.300 médicos cubanos, que devem sair do Brasil, até 12 de dezembro. 

Os médicos cubanos que participavam no PMM, Programa Mais Médicos, no Brasil, começaram a deixar as terras brasileiras, regressando a Cuba.

Um primeiro voo partiu hoje de Brasília, com mais de 200 médicos e profissionais da saúde, rumo a Cuba.

São ao todo cerca de 8.300 médicos cubanos que devem regressar a Cuba até 12 de dezembro

Isto acontece uma semana depois de Cuba ter anunciado o abandono do PMM, no qual a ilha participava desde a sua criação, em  2013, através da OPS, organização panamericana da saúde.

Vários outros países estrangeiros participavam no programa enviando os seus médicos para exercerem em Cuba sobretudo na área da Saúde Pública.

No caso de Cuba, Havana paga os seus médicos em missão, apenas 30% do salário que o Brasil desembolsa para o seu trabalho, indo o resto alimentar o orçamento nacional cubano.

Cuba decidiu retirar os seus médicos do Brasil, depois das críticas do presidente eleito, Bolsonaro, comparando as condições dos médicos cubanos em Cuba, à escravatura, pelo que recusava financiar "a ditadura cubana". 

Aliás, Bolsonaro, que toma posse, em janeiro, tem dito, que poderia igualmente desclassificar documentos do Convénio do Programa Mais Médicos, assinado por Dilma Roussef e as autoridades cubanas.

Documentos que têm a ver com a chamada "caixa-preta do BNDES" relacionada com obras da Odebrecht em que estiveram envolvidos governos do PT de Dilma Roussef e Lula da Silva, que como se sabe, cumpre 12 anos de prisão por corrupção.

Círculos próximos do presidente brasileiro eleito, Bolsonaro, consideram que foi Cuba que sugeriu ao Brasil a criação do Programa Mais Médicos, que seria financiado em grande parte pelos cofres brasileiros.

Dilma Roussef, que negociou o convénio, poderia mesmo vir a ser investigada pela justiça, sobre os segredos que envolvem o Programa Mais Médicos, correndo o risco de ser processada pelo ministério público. 

Mas, para o o historiador brasileiro, Fábio Baqueiro, na UNILAB, Universidade da Integração internacional da Lusofonia afro-brasileira, a saída dos médicos cubanos, do Brasil, vai penalizar populações das regiões brasileiras mais pobres.

Fábio Baqueiro, historiador na UNILAB, no Brasil. 23/11/2018 ouvir
Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.