Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 19/07 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 14/07 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/07 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/07 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 14/07 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 19/07 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/07 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/07 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 19/07 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 14/07 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/07 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/07 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 19/07 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 14/07 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/07 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/07 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Mundo

Conferência sobre Palestina sem palestinianos

media Protesto dos palestinianos contra fórum económico sobre a Palestina. 25 de Junho de 2019. Musa Al SHAER / AFP

Os Estados Unidos apresentam, esta terça e quarta-feira, no Bahrein, um plano económico para os territórios palestinianos. De fora da conferência estão os próprios palestinianos que boicotaram uma iniciativa económica sem solução política.

Os Estados Unidos co-organizam, esta terça e quarta-feira, em Manama, capital do Bahrein, uma conferência sobre a Palestina para apresentar um plano económico que vai integrar a proposta de paz de Donald Trump para o conflito israelo-palestiano.

A proposta ainda não foi revelada e, segundo autoridades americanas, não deverá mencionar a solução de "dois Estados", um israelita e outro palestiniano.

Para atingir a paz, Donald Trump, que reconheceu Jerusalém como capital de Israel, privilegia investimentos económicos em detrimento de uma solução política. O plano chama-se “Da paz à prosperidade” e foi apresentado pelo seu genro e conselheiro, Jared Kushner, também amigo da família do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu. Trata-se de um pacote de 50 mil milhões de dólares de investimentos internacionais nos territórios palestinianos e nos países árabes vizinhos, durante dez anos, visando projectos de infra-estruturas, educação, turismo, comércio e a criação de um milhão de empregos para os palestinianos sufocados pela crise económica.

A conferência foi boicotada pelos palestinianos que a vêm como uma tentativa de os comprar em troca da sua renúncia às aspirações de um Estado independente. O presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmoud Abbas, declarou que “não pode aceitar que a América transforme uma causa política numa causa económica”, lamentou que não haja qualquer referência à ocupação israelita e considerou que "o que Israel e os Estados Unidos estão a tentar fazer é normalizar suas relações com os árabes graças aos palestinianos". A Cisjordânia ocupada foi já ontem palco de protestos contra a conferência e, perto de Hebron, os manifestantes queimaram retratos de Trump e do rei do Bahrein.

O primeiro-ministro israelita disse que o boicote palestiniano é a prova que eles não querem a paz. Declarações feitas depois de ele ter falado, nos últimos meses, em anexar uma parte dos territórios ocupados, o que acabaria com as aspirações dos palestinianos de criaram o seu próprio Estado. Também o embaixador americano em Israel, David Friedman, já tinha dito que o seu país poderia aceitar a anexação e a administração Trump indicou que a parte política do plano poderá não fazer referência a um Estado palestiniano, ao contrário do que defendeu a diplomacia americana durante anos.

A maior parte dos líderes europeus escolheu não assistir à conferência, onde estarão essencialmente representantes dos estados do Golfo, os quais deverão financiar o plano se este for aplicado. A Jordânia e o Egipto, as duas únicas nações árabes que assinaram um acordo de paz com Israel, enviaram apenas diplomatas, assim como Marrocos. Também presentes estão o secretário do Tesouro americano, Steven Manuchin, e a directora do Fundo Monetário Internacional, Christine Lagarde.

Apesar da ausência dos palestinianos, os especialistas estimam que a conferência vai permitir à administração americana unir os estados do Golfo a Israel, aliado norte-americano, no âmbito de uma aliança anti-iraniana.

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.