Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 15/10 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 13/10 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/10 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/10 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 15/10 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 13/10 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/10 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/10 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 15/10 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 13/10 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/10 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/10 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 15/10 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 13/10 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/10 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/10 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
São Tomé e Príncipe

São Tomé e Príncipe tem mais de 80,8 milhões de euros de "dívida oculta"

media Dobra, moeda de São Tomé e Príncipe Banco Central de São tomé e Príncipe

 

São Tomé e Príncipe tem mais de 80,8 milhões de euros de "dívida oculta" revelada pelo FMI, cuja documentação foi entregue esta terça-feira pelo governo ao Ministério Público, que deverá apurar responsabilidades.

De acordo com o documento sobre a "dívida oculta" revelada pela delegação do FMI que esteve recentemente no país e que foi entregue pelo governo ao Ministério Público esta terça-feira (8/10), o seu valor é superior a 80,8 milhões de euros - são exactamente de 1.754.226.961,06 dobras, o equivalente a 80.847.336,61 euros

São dívidas contraídas em 2018 e não inscritas no stock da dívida contabilizada até 31 de Dezembro de 2018, nem na tabela das operações financeiras do Estado, tendo em conta, segundo o documento, que são os principais instrumentos, que reflectem a situação financeira do tesouro público, em termos dos compromissos assumidos pelo país.

Maximino Carlos, correspondente em São Tomé 10/10/2019 ouvir

A direcção da ADI que esteve no poder entre 2014 e 2018, em nota à imprensa datada desta quinta-feira (10/10) nega a existência de "dívida oculta" e considera tratar-se de "propaganda política, para denegrir e difamar" o anterior executivo da ADI dirigido por Patrice Trovoada e "pede ao FMI para esclarecer essa questão técnica, o mais rapidamente possível".

Em causa estão nomeadamente dívidas às empresas de construção civil e dívidas do Estado à  Empresa de Água e Electricidade - EMAE - que por sua vez deve à Empresa Nacional de Combustíveis e Óleos - ENCO - mas também dívidas relativas a encargos salariais, dos edifícios do Tribunal de Contas e do Supremo Tribunal de Justiça.

Na sua fundamentação, o executivo realça que é um fardo de dívida interna nunca registado durante a vigência dos distintos governos.

Compete agora o Ministério Público, avaliar o respectivo documento sobre a dívida e apurar eventuais responsabilidades.

 

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.