Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 19/11 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 17/11 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/11 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/11 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 19/11 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 17/11 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/11 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/11 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 18/11 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 17/11 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/11 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/11 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 18/11 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 17/11 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/11 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/11 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Moçambique

Cimeira internacional sobre gás em Maputo

media Cidade de Maputo. Imagem de arquivo de 2015. ADRIEN BARBIER / AFP

Maputo é palco, esta quinta e sexta-feira, da Cimeira sobre o Gás em Moçambique. O sector privado exige do Estado a criação de condições para que a exploração dos recursos naturais seja feita em situação de vantagem mútua.

 

O sector privado moçambicano exige a criação de um orgão independente que garanta que a exploração dos recursos naturais no país, traga vantagens para todos os envolvidos, nomeadamente o Estado, empresas nacionais e estrangeiras.

Uma exigência da Confederação das Associações Económicas de Moçambique, na voz de Álvaro Massingue, durante a cimeira internacional sobre o gás que decorre em Maputo.

O Centro de Integridade Pública, uma ONG moçambicana, lançou dois relatórios que revelam que são sombrias as perspectivas de receitas para o Estado com a exploração do gás natural e petróleo leve pela Sasol uma petroquímica sul-africana, nos campos de Pande e Temane na província de Inhambane, no sul do país.

Para o CIP, em dez anos de actividade da Sasol, o Estado moçambicano apenas arrecadou 7,9% dos cerca de um bilhão e setecentos milhões de euros projectados pelas autoridades moçambicanas.

Oiça aqui a reportagem de Orfeu Lisboa.

Orfeu Lisboa, Correspondente em Maputo 19/10/2017 ouvir

A cimeira conta com a participação de membros do Governo, operadores da indústria, empresas parceiras e instituições financeiras.

Na cimeira, Omar Mithá, o presidente da Empresa Nacional de Hidrocarbonetos (ENH) - a companhia que controla as participações do Estado moçambicano na indústria extractiva - disse que Moçambique tem condições para se impor no mundo como uma potência no gás natural mas tem de encontrar uma estratégia de venda eficaz.

Omar Mithá declarou que a decisão final de investimento pelo consórcio liderado pela italiana ENI para a Área 4 da Bacia do Rovuma, no norte de Moçambique, é um sinal de que as empresas do setor têm confiança no potencial do gás moçambicano.

O responsável indicou, também, que os avanços entre o governo e o consórcio liderado pela norte-americana Anadarko rumo a uma decisão final de investimento na Área 1 da Bacia do Rovuma consolida o optimismo em relação ao futuro do gás natural moçambicano.

No final de Abril, o presidente do Instituto Nacional de Petróleo de Moçambique, Carlos Zacarias, disse que prevê que a exportação de gás natural da Bacia do Rovuma possa começar entre 2022 e 2023.

Dias antes, a consultora BMI Research divulgou uma nota em que previa que a exportação de gás natural de Moçambique seja adiada dois anos, ou seja para 2022, em relação à previsão inicial. Em causa, a complexidade técnica e a falta de infra-estruturas de apoio, assim como a actuação dos governos e o caso das dívidas escondidas do Estado moçambicano que prejudicou a economia e fez retrair os investidores e as multinacionais.

Nos últimos anos, cerca de 200 triliões de pés cúbicos de gás foram descobertos na Bacia do Rovuma, em Cabo Delgado.

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.